Casa em ordem

Arrumar a casa é também olhar para as nossas bagunças internas. É isso o que acredita a organizadora de ambientes Talita Melo, criadora da Kiiro

Ana Holanda

- | <i>Crédito: Vida Simples Digital
- | Crédito: Vida Simples Digital
Kiiro significa  amarelo em japonês, a cor da prosperidade e da criatividade. A palavra também remete a silêncio e a ouvir. Toda essa simbologia levou a organizadora de ambientes Talita Melo a batizar sua empresa assim: Kiiro – Organiza e Simplifica. Para ela, ao colocar a casa em ordem, reorganizamos nossos pensamentos e escolhas. “É profundo”, garante. Ela conta mais sobre essa visão de arrumar as gavetas – e a vida – na entrevista a seguir:

Como você entrou nesse universo?  
 Ao invés de me irritar com a bagunça, eu sentia um enorme prazer em transformar. Fazia isso com as bijoux das amigas ou na casa do namorado. Com o tempo, essas ações se tornaram minha grande válvula de escape, já que eu me sentia infeliz em  todas as empresas pelas quais passei. Até que, em meados de 2010, descobri que fazer o que eu amava poderia transformar vidas, e eu ainda seria remunerada por isso.

 O que faz um organizador profissional?   A juda pessoas e empresas a destinar os itens excessivos e cria setores para tudo, o que traz fluidez e praticidade para o dia a dia.

 É preciso levar em conta a história de cada um?  

 Sim. Não só a história individual mas daqueles que serão impactados, como familiares ou funcionários. De nada adianta, por exemplo, apenas tirar uma poltrona que serve de mancebo. Preciso entender aquele hábito e moldar o espaço para que continuem a ter onde dispor as coisas, sem desconforto.  

O que fazer com um objeto que não tem uso, mas valor sentimental?  
 A pessoa tem que perguntar se aquilo tem valor para ela. Se sim, então não é o momento de se desfazer daquilo. O item pode ganhar um novo uso, se transformar. Folders podem virar papel de parede, por exemplo.  

O que tudo isso ensina sobre nós?
   Na vida, precisamos fazer escolhas o tempo todo. Ao organizar, também. E lidar com a bagunça externa é uma maneira de olharmos para nosso interior, refletirmos sobre o porquê daquele cenário, ajustarmos tudo para ganhar tempo, espaço e, naturalmente, qualidade de vida. 

21/10/2016 - 12:17

Conecte-se

Revista Vida Simples