Oficina de poesia

Dia sete de abril, sábado, acontece no Rio, uma oficina de poesia, psicanálise e imaginário

Vida Simples Digital

Acontece, no Rio, oficina de poesia, psicanálise e imaginário | <i>Crédito: Shutterstock
Acontece, no Rio, oficina de poesia, psicanálise e imaginário | Crédito: Shutterstock

Um encontro entre a poesia da escritora Roseana Murray, os contos de Clarice Lispector e a psicanálise de William Amorim (autor de livros premiados e, entre outros, supervisor clínico-institucional, pelo Ministério da Saúde, de Centros de Atenção Psicossociais adulto e infanto-juvenil) está marcado para o próximo dia 7 de abril, sábado, das 9h30 às 13h30, no Instituto Estação das Letras, no Rio de Janeiro, durante a Oficina Identidades: atelier poético e psicanalítico.

Com textos e depoimentos orais e escritos, Roseana e William percorrerão o nascimento, a infância, a adolescência, a descoberta do amor e do outro, até o momento atual. Vida e Morte. Um mergulho nas identidades, nos desejos e nas memórias de cada um, com o objetivo de sensibilizar e entrar em camadas profundas do ser, razão pela qual, segundo Roseana Murray, a literatura pode caminhar junto à psicanálise. “Num tempo que é tão veloz, onde tudo é tão descartável, precisamos parar e fazer essa conexão com nossa vida e acervo de memórias”, acredita Roseana, cujas poesias, junto aos textos de Clarice Lispector e as falas de William Amorim têm a escrita e a literatura como matérias-primas.

Para os professores, essa oficina dá conta de uma parte dos desejos humanos, ao mesmo tempo em que aguça a humanidade num processo contínuo de descobertas. William diz que poesia e psicanálise brotam do mesmo solo, a palavra. “O poeta e o analista vão no primitivo da palavra. O primeiro limpa as palavras dos sentidos que acabam ganhando durante a vida. E o analista possibilita ao sujeito, também, voltar no primitivo dos seus significantes, uma vez que nos alienamos nos sentidos do outro. Na análise, temos uma limpeza desses significantes do outro pra se aproximar mais de nós mesmos. O poeta faz algo que a gente leva um tempo para conseguir," compara.

 

 Para saber mais: Instituto Estação das Letras, Rua Marquês de Abrantes, 177, Flamengo – Rio de Janeiro, tel. 21 3237-3947;  www.estacaodaseletras.com.br

 

03/04/2018 - 13:16

Conecte-se

Revista Vida Simples