Só vestidos

Uma loja em Porto Alegre esconde araras cheias deles, feitos à mão, com o tempo e o amor que a costura pede

Ana Holanda

- | <i>Crédito: Vida Simples Digital
- | Crédito: Vida Simples Digital
As araras da loja Oi Gracia,   no bairro do Bom Fim, em Porto Alegre, estão repletas de vestidos coloridos e alegres. O curioso é que, ao olhar a etiqueta das peças, você percebe que não existem tamanhos. É um vestido apenas. A modelagem é única e democrática, segundo a criadora da marca, a publicitária gaúcha Priscila Zanetti. E se mesmo assim o caimento não agradar? Priscila costura outra peça, de acordo com as medidas de cada um. E lá vem ela com a fita métrica: quadril, busto, pernas. Tudo é anotado. Desse jeito, bem artesanal, a roupa ganha um caimento perfeito. A inspiração para trabalhar dessa forma e com muita cor surgiu quando Priscila morou em Barcelona, na Espanha. “Há dez anos, fui morar em Gràcia, região colorida, charmosa e de vida cultural intensa. O objetivo era me abastecer de novas ideias e ver as obras de Gaudí”, diz. Foi na viagem também que se encantou com os vestidos e, desde então, não usou mais calças. Ao voltar, decidiu empreender – e por que não com vestidos? “Comecei a marca na intenção de fazer o que eu gostaria de usar”, conta. “Quando a roupa é produzida, penso naquela cliente, em seus desejos”, afirma. Cada vestido custa, em média, R$ 200. E pode ser comprado também pela internet – onde é possível fazer a personalização, mandando as medidas e escolhendo a estampa. “Minha intenção não é estar nos desfiles, mas deixar as pessoas mais coloridas, felizes, é pagar bem para os que estão ao meu lado, é ter tempo, é ajudar a disseminar o amor”, diz Priscila. 

Oi Gracia | oigracia.com

15/03/2017 - 11:15

Conecte-se

Revista Vida Simples