Consciente para mudar

A Constelação Sistêmica lança luz sobre nossa história de vida para trazer soluções ao que nos impede de viver plenamente

Débora Zanelato

Consciente para mudar | <i>Crédito: Vida Simples Digital
Consciente para mudar | Crédito: Vida Simples Digital

 DENTRO DE CADA UM  de nós há comportamentos ou crenças que, por vezes, não temos consciência de onde vêm e que nos impedem de levar a vida de um jeito mais pleno e feliz. São heranças emocionais da nossa família, que repetimos sem nem perceber o quanto elas nos limitam. E a Constelação Sistêmica é um método que joga luz sobre essa nossa história, ajudando a entendê-la e apontando caminhos para mudar nosso jeito de viver. “A Constelação nos ajuda a buscar a causa de um problema que o cliente tenha e, a partir daí, mostrar para essa pessoa um caminho para a solução. Podem ser questões diversas: relacionamentos, problemas fi nanceiros e profi ssionais, autossabotagem, compulsões, vícios e até mesmo doenças”, me conta Paulo Curi, constelador sistêmico que me recebeu para uma sessão, em São Paulo. É realmente surpreendente o quanto a terapia é poderosa. O trabalho não acontece só entre terapeuta e cliente: outras pessoas participam da sua constelação, que trata a questão em um encontro. O que a princípio me soou um pouco desconfortável – afi nal, são pessoas que você não conhece envolvidas em um problema tão íntimo seu –, depois me mostrou como é acolhedor e importante para que a terapia tenha tanto resultado. Primeiro, apresentei ao Paulo um aspecto que me incomodava. Ele fez algumas perguntas sobre a minha infância e, em seguida, pediu que eu escolhesse pessoas para representarem os integrantes da minha família e os posicionasse na sala (até a disposição que fazemos diz algo sobre a dinâmica da casa). O que acontece nos próximos momentos é realmente incrível: é como se cada um assumisse a energia e o sentimento dos meus familiares e reproduzisse suas ideias para que, juntos, pudéssemos entender o quanto aquilo impactou a minha forma de agir. “Nossos pais são a maior referência na nossa vida, seja como modelos de pai, mãe, casal, homem, mulher, profi ssional, e assim por diante. Assim, sem perceber, na maior parte do tempo repetimos seus padrões comportamentais ou fazemos exatamente o oposto”, diz Paulo. “Muitos padrões não são positivos, mas é importante destacar que não é culpa deles; foi algo que também aprenderam com os pais.” Assim, a Constelação nos permite olhar para a criação com olhos críticos, mas sem julgamento, recebendo com gratidão aquilo que foi bom e deixando para trás o que foi ruim, sem mágoas ou ressentimentos. É um processo libertador e também emocionante. Para mim, a Constelação me mostrou que certas ideias não eram minhas e me trouxe mais segurança para agir de uma nova forma. ƒ 

Paulo Curi —  Constelador Sistêmico paulocuri16@gmail.com (16) 99373-4233 

28/11/2017 - 11:51

Conecte-se

Revista Vida Simples