Poluição que vira tinta

Incomodado com a qualidade do ar de sua cidade, indiano transformou fuligem em canetas sustentáveis

Débora Zanelato

- | <i>Crédito: Vida Simples Digital
- | Crédito: Vida Simples Digital
O indiano Anirudh Sharma cresceu em Nova Deli, hoje a cidade com o ar mais poluído no mundo todo. Por lá, o nível de qualidade do ar está em 999 – em São Paulo, esse número é 76. Mas tão surpreendente quanto é o nível da poluição atmosférica também é a ideia de Anirudh para tentar ser parte da solução: transformar a fuligem dos carros em matéria­prima para fazer tintas e ainda ajudar a reduzir a quantidade de  poluentes no ar de sua cidade. Depois de testes feitos no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), ele e uma equipe desenvolveram o Kaalink, um dispositivo acoplado ao escapamento dos carros que é capaz de reter até 95% das partículas que seriam despejadas no ar. Quando cheio, esse recipiente passa por um processo que transforma a fuligem em tinta. O produto final é a Air­Ink, uma caneta sustentável. “Nós cria mos uma gama completa de produtos Air­Ink: canetas, marcadores e tinta spray. Lançamos a ideia com artistas de rua que estão criando murais em suas respectivas cidades para levar nossa mensagem sobre a poluição”, diz Sharma, que tem uma campanha de financiamento coletivo na internet na qual a caneta é vendida e entregue em todos os países.

Air-ink | air-ink.com

04/04/2017 - 11:15

Conecte-se

Revista Vida Simples