O que aprendi com o Transtorno Afetivo Bipolar

Um depoimento corajoso de quem aprendeu mais sobre si mesma após descobrir o transtorno bipolar

Luciana Candido

Conviver com o transtorno não é fácil, demanda coragem e muito apoio | <i>Crédito: Shutterstock
Conviver com o transtorno não é fácil, demanda coragem e muito apoio | Crédito: Shutterstock

Este é um texto egoísta, egocêntrico, autocentrado e tudo mais que tiver a ver comigo mesma. Por quê? Porque em maio completo cinco anos sem crise. Podia parar por aqui: isso já é o suficiente para eu me dar parabéns.

Tenho Transtorno Afetivo Bipolar. Até onde lembro, comecei a apresentar os sintomas aos 17 anos. Fui diagnosticada aos 23 e, desde então, não interrompi o tratamento. Exceto quando mudei para outro estado e me vi perdida, sem médico, sem terapia... Foi justamente neste momento que tive a crise mais pesada da minha vida e que achei que não tinha mais volta.

É indescritível. Eu simplesmente não entendia porque tinha de continuar viva, sentindo aquela dor toda. Não fazia sentido: por que eu tinha de continuar vivendo se não escolhi estar no mundo? Viver era exaustivo, e eu não tinha mais forças.

Em setembro de 2012, resolvi que faria uma última tentativa. Juntei o restinho de força que me sobrara e fui buscar terapia. Nunca parei de tomar a medicação, mas faltava a parte mais importante do tratamento. O problema é que não havia encontrado ninguém até então e não tinha forças para buscar ajuda.

Em setembro de 2012, arrastei-me até uma clínica e tive minha primeira sessão com a minha atual terapeuta. Dá para deduzir que os parabéns são para ela também. Foi difícil. Eu só queria um anestésico qualquer que tirasse rápido aquela dor que começava a ultrapassar o limite do humanamente suportável. Estava muito cansada, e sabia que não ia conseguir carregar aquilo por muito tempo mais. E fui levando.

No dia 13 de abril de 2013, um episódio – que de importante, hoje, só guarda o fato de ter me empurrado para fora do poço – me fez dizer chega. Foi o meu gatilho do bem. Eu vinha dando passos desde setembro, mas ainda não havia virado a chave. Precisava olhar para mim mesma e assumir o controle de tudo aquilo. Esse “tudo aquilo” era a minha vida.

Isso quer dizer que desde então tudo foi fácil e bonito? De jeito nenhum.

Menos de um ano depois, tive de passar por uma das experiências mais doloridas que já tive fora das crises: o luto de uma separação. No entanto, também tive umas das minhas melhores férias antes disso, viajei de carro até o Uruguai, me diverti muito, retornei à vida social saudável, vivi um dos momentos mais importantes da história do país, em junho de 2013, entre tantas outras coisas.

Houve momentos em que a depressão bateu à porta. As recaídas nos dão alertas, e o mais incrível foi conseguir identificar antes que a crise entrasse. As crises não têm motivos, elas têm apenas gatilhos. Quando sentia que estava rondando, dava um tempo a mim mesma, não batia de frente com a doença. Em dois ou três momentos mais críticos, precisei de licença médica. Dormia um dia inteiro, chorava, me jogava no sofá e marcava hora para levantar. E todas as vezes eu levantei. Foi bem difícil, mas valorizo cada vez que consegui sentar na cama, escovar os dentes, comer.

Mas a vida não é só depressão. Tem a mania. Tenho dificuldades para falar sobre essa parte, não sei se por constrangimento, ou por amnésia alcoólica, ou pelas duas coisas misturadas. A depressão é aquela coisa: você sofre muito, normalmente sozinho. Na mania, a gente faz coisas que depois tem vontade de morrer, mas não é de depressão, é de vergonha mesmo.

Teve muitos porres, coisas que eu disse e fiz bêbada que eu queria que tivesse um shift + del da vida. Dias sem comer, dias comendo até as paredes, compromissos assumidos não cumpridos, tagarelice, acordar de madrugada para correr, projetos mirabolantes e tantas coisas que nem lembro. Devo ter a maior coleção autoral de músicas de um verso só, livros de uma página, desenhos incompletos.

Às vezes, acordava meio Carmen Miranda: “e o mundo não se acabou!” Eu sabia que depois disso o carrinho ia descer a ladeira. Então, em vez de dizer “nunca mais faço isso”, assumia as sandices. Pedi desculpas muitas vezes, aprendi a dizer não e quase quebrei o cartão de crédito. Também aprendi algumas técnicas de investigação tentando saber o que tinha acontecido na noite anterior.

E, sem saber, eu estive com a medicação errada durante a maior parte destes cinco anos.

Tudo isso foi episódico. Não cheguei nem perto do inferno que eu já tinha experimentado.

Em outubro, mudei de psiquiatra e acertamos a medicação. Recentemente, parei de beber. Não totalmente, nem quero, mas cortei as fugas e agora bebo muito pouco. Bom, as fugas eram quase tudo. Não tenho dinheiro. Engordei. Tenho ficado muito tempo sozinha. Minha coluna está arrebentada. O remédio me dá tremores e borra a visão.

Isso tudo se torna fácil quando lembro o que deixei para trás. Não acho que estou curada. Não tem cura. Não há nenhuma garantia de que eu não vá ter uma crise no futuro, mas faço o que posso para mantê-la lá fora. Estou estudando coisas que há tempos queria e não conseguia. Estou aprendendo outro idioma. Pratico atividade física e tomo muita água.

Estou leve e feliz.

É. Acho que estou indo bem. Não sou exemplo de nada para ninguém nem pretendo ser. Sou apenas um espécime, uma amostra, num universo imenso de pessoas como eu, de que é possível não só controlar a doença, mas viver.

Hoje me questiono sobre o que define o equilíbrio. Pessoas sem transtornos são sempre equilibradas? Pessoas com transtornos, como eu, não podem desequilibrar nunca sem que isso seja associado à doença? O que é equilíbrio? É estável? Instável? Indiferente? Como disse o Trovador Solitário, “consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade”.*

Há pessoas maravilhosas ao meu redor que são importantíssimas nessa trajetória e têm um lugar especial na minha vida. Não esqueci e nunca vou esquecer. Só achei importante dar uma olhada para mim e para o que eu fiz, porque eu não quero nunca esquecer que eu tenho o controle da minha vida, aconteça o que acontecer, esteja eu com quem estiver.

 

*Legião Urbana, Sereníssima

07/06/2018 - 14:14

Conecte-se

Revista Vida Simples