Para começar o dia bem

Uma rotina de cuidados que traz mais bem-estar e conexão interna

Texto: Débora Zanelato

Para começar o dia bem | <i>Crédito: iStock
Para começar o dia bem | Crédito: iStock
Quem sempre levanta em cima da hora sabe: é preciso muita agilidade para ficar pronto depressa e assim compensar o modo soneca do despertador. Aí, fazemos tudo bem rápido e mal dá tempo para perceber o nosso corpo e a nossa mente. Mas reservar com calma alguns minutos da rotina diária de cuidados pode ser transformador para termos um dia mais conectado com a gente mesmo. “Estar em harmonia com o ritmo do nosso corpo e da natureza é o que nos traz equilíbrio e saúde”, diz a instrutora francesa Elisabeth Jaeger, que me ensinou algumas práticas do dinacharya, as rotinas diárias de cuidados dentro do aiurveda, um sistema de medicina indiana. A proposta é que esse conjunto de rituais diários seja capaz de fortalecer e desintoxicar o nosso corpo e a nossa mente, aumentando a energia vital. Elisabeth explica que somos regidos por cinco elementos – espaço, ar, fogo, água e terra. “As doenças são na verdade um sinal de desequilíbrio. Assim, o aiurveda faz ajustes com o uso das qualidades dos elementos opostos”, observa Elisabeth.

O dinacharya consiste em um amplo conjunto de práticas, do nascer do sol ao anoitecer. Ao despertar, por exemplo, a primeira tarefa deve ser urinar e evacuar. Depois, o passo é limpar a língua com um limpador de cobre, porque nela ficam toxinas que não nos fazem bem. Após a raspagem vem um bochecho de 20 minutos com óleo de coco (enquanto isso, dá tempo de escolher a roupa). Aí, sim, é que se escova os dentes. Lavar bem o nariz também faz diferença. “Vinte por cento do prana, a nossa energia vital, é digerido pelos sinos e vai para o cérebro”, observa Elisabeth. “Misture 1 litro de água morna com duas colheres de chá de sal marinho em um limpador nasal para fazer a lavagem. Depois, um pouco de óleo de gergelim ou ghee para hidratar as narinas”, ensina. Achei bem surpreendente como minha rinite alérgica melhorou depois disso. Elisabeth também ensinou a fazer uma breve massagem no corpo, que é uma forma de despertá-lo e acolhê-lo com carinho para começar o dia.

A princípio, algumas práticas pareciam complicadas por serem distantes dos nossos hábitos. Mas, aos poucos, percebi que elas fizeram bem para o meu corpo e também para algo mais interno, que é essa consciência de olhar com mais conexão para si e para o dia que começa e termina. E estar desperto para essa presença que permite que a vida flua com harmonia. 

21/08/2017 - 09:10

Conecte-se

Revista Vida Simples