Rede conecta pessoas em busca de trabalho ou novos negócios

A Dots é um grupo no Facebook que promove a conexão entre profissionais; com mais de 50 mil membros, a rede vai virar plataforma digital

Letícia Gerola

A entrada na rede se mantém gratuita, basta ser convidado | <i>Crédito: Reprodução
A entrada na rede se mantém gratuita, basta ser convidado | Crédito: Reprodução

Filha de uma chinesa com um francês, ela aprendeu, desde cedo, a ser independente e a cuidar das próprias coisas. Kuki Baily é criadora de uma rede de conexão profissional de grande sucesso, um grupo fechado do Facebook que, em um ano, saltou de 200 para 50 mil membros. A Dots funciona a partir da vontade das pessoas de se ajudarem, sem pedir nada em troca. No grupo do Facebook só dá pra entrar através de convite, mas, se a meta do financiamento coletivo for atingida, o grupo vai virar uma plataforma digital acessível para todos. 

Como você estruturou o Dots?
Em 2015, quando a crise estourou e muita gente começou a perder seu emprego, tive a seguinte ideia: se todos os meus conhecidos abrissem suas agendas e se propusessem a se ajudar, resolveríamos muitos problemas, numa grande onda de colaboração mútua. Fiz uma mensagem para todos e, para minha surpresa, quase 200 retornaram. Queriam entrar nisso comigo. Então criei um grupo fechado no Facebook e dei o nome de Dots, que são pontos que só fazem sentido quando conectados. 

No grupo do Facebook, só dá pra entrar através de convite. Isso se mantém no Dots plataforma?
O esquema do convite vai ser o mesmo: quem está lá dentro tem que convidar quem está fora para entrar. Mantive o convite porque quando as pessoas sentem que elas são convidadas elas valorizam o espaço onde elas estão e criam confiança; você sabe que todas as pessoas que estão ali são sérias e entraram porque foram chamadas por alguém de dentro, essa credibilidade é o ponto forte da rede. O que muda com a plataforma é que qualquer pessoa vai ter acesso ao Market Place, que é a nossa página de classificados– inclusive quem não faz parte dos Dots - e vai poder contratar serviços ou produtos de pessoas que anunciaram nesse espaço. Quem está dentro da plataforma, além da página de classificados, vai ter outras vantagens, como mecanismos de busca para encontrar o serviço que procura e descontos.

A conexão entre as pessoas era feita via posts no Facebook. Como vai funcionar na plataforma?
A plataforma vai exatamente a melhorar essa parte! O Facebook é muito bom para comunicação, mas em mecanismos de busca ele deixa a desejar. Quem estiver dentro da rede vai poder encontrar o produto ou serviço que deseja com muito mais facilidade.

Precisa pagar alguma coisa pra entrar na nova rede?
A entrada na rede se mantém gratuita, basta ser convidado. O que vai ser monetizado  - e o preço vai ser super baixo - são alguns serviços extras para quem quer vender com rapidez, como fixar posts que vão aparecer para todo mundo que entra na rede e não apenas quem digitar o produto, por exemplo. 

O que vai acontecer com o grupo do Facebook?
O grupo do Facebook não vai acabar, vai apenas complementar a plataforma! O que vai acontecer é que quem entrar na rede vai ter um outro espaço que vai oferecer serviços de busca mais completos e vai poder anunciar em um espaço acessível para qualquer pessoa, não apenas membros da rede. Se você quiser comprar um bolo de uma boleira do Dots, por exemplo, é só entrar nos classificados abertos, o Market Place, e contratar. Melhorar o serviço pra quem está dentro e possibilitar a entrada pra quem está fora são os objetivos dessa plataforma!

O financiamento coletivo para criação da rede está acontecendo! Clique aqui para doar. 

24/01/2017 - 13:22

Conecte-se

Revista Vida Simples