Refugiado congolês lança campanha para abrir restaurante vegano

Pitchou Luambo conta com financiamento coletivo para reabrir o Congolinária, restaurante de comida típica congolesa 100% vegano

Letícia Gerola

Para ajudar, basta acessar o link da campanha no Catarse | <i>Crédito: Reprodução
Para ajudar, basta acessar o link da campanha no Catarse | Crédito: Reprodução

Pitchou Luambo, refugiado congolês que vive no Brasil há cerca de sete anos, acaba de lançar uma campanha de financiamento coletivo para realizar o sonho de continuar com o Congolinária, restaurante de comida típica congolesa 100% vegano. O dinheiro da campanha será destinado à compra de equipamentos para a cozinha do restaurante e para arcar com os primeiros meses de aluguel.
            Em 2016, Pitchou e sua filha, Marie Luambo, abriram o restaurante em um  food park na região do Itaim Bibi, zona oeste de São Paulo, sucesso de público durante os quatro meses que ficou instalado. Após o fechamento do local, o congolês se viu sem emprego, quando recebeu o convite para oferecer as refeições em uma lanchonete na Vila Madalena. Porém, por conta da alta demanda, o Congolinária teve de sair do local e precisa do seu próprio espaço. “Nossa ideia é unir as pessoas em um local para conhecer melhor a cultura da República Democrática do Congo, aproximando brasileiros e refugiados para unir povos e costumes. Contamos com a ajuda de todos para conseguirmos realizar esse sonho, dar continuidade ao Congolinária e levar nossa cultura para centenas de pessoas”, conta o chef.

Para ajudar, basta acessar o link da campanha no Catarse.
É possível contribuir com valores a partir de R$ 10.  

12/04/2017 - 16:26

Conecte-se

Revista Vida Simples