Japão zen

A beleza e a simplicidade expressa na delicadeza dos movimentos

Texto: Ana Holanda Fotografia: Fernanda Mariano

- | <i>Crédito: Vida Simples Digital
- | Crédito: Vida Simples Digital
A fotógrafa brasileira Fernanda Mariano sempre foi apaixonada pela cultura oriental. Foi essa paixão, aliás, que a levou a estudar, há quatro anos, a pintura tradicional japonesa, o sumi, com o mestre Tomás Yamada, em Buenos Aires, onde mora. “Uma simples pincelada pode dar forma e contraste”, diz. Segundo ela, os desenhos a ajudam a compreender mais o homem e a observar a natureza com a calma que a vida pede. “Descobri a importância do vácuo na arte e o conceito de wabisabi, que é beleza e simplicade, imperfeição e perfeição”. Hoje, Fernanda já acumula duas idas ao Japão. A primeira, em 2015, e a segunda, em 2016. Nesta última, ela permaneceu por dois meses, fotografando e mergulhando no budismo. Entre seus registros, estão o belo florescimento das sakura e o festival Sanja Matsuri, uma festa religiosa. Nessa temporada por lá, ela registrou aquilo que considera a 
tradução da cultura do país: a beleza presente nas miudezas, nos movimentos delicados, na contemplação. “O costume de tomar chá é um exemplo disso, assim como dedicar um tempo apenas para observar uma flor em seu momento mais exuberante”, acredita Fernanda. 

FERNANDA MARIANO é também tatuadora. Para conhecer mais sobre seu trabalho: fernandamariano.com

18/07/2017 - 10:45

Conecte-se

Revista Vida Simples