A importância do brincar no dia a dia dar crianças

Ainda visto como tempo improdutivo, o espaço na agenda para brincadeiras livres melhora o desenvolvimento social, a criatividade, a empatia e traz inúmeros benefícios para as crianças

Letícia Gerola

Os pais precisam primeiro superar a ideia de que quando a criança esta brincando é um tempo improdutivo e trazer a brincadeira de volta pra lista de prioridades. | <i>Crédito: iStock
Os pais precisam primeiro superar a ideia de que quando a criança esta brincando é um tempo improdutivo e trazer a brincadeira de volta pra lista de prioridades. | Crédito: iStock

O World Play Day – Dia Internacional do Brincar é uma campanha que nasceu no Reino Unido e, com a ajuda da Associação Cidade Escola Aprendiz, chegou ano passado no Brasil. Celebrado dia 8 de maio, é um dia para celebrar o brincar e o aprender fora da sala de aula. Esse ano, a organização mobilizou 1195 escolas em todo o Brasil para celebrar a data além das paredes da escola. “A ideia dessa campanha é que os professores se reconheçam como agentes defensores do brincar e estimulem essa atividade nas crianças”, explica Raiana Ribeiro, gestora do programa Cidades Educadores na Associação. A especialista comentou a importância da brincadeira no dia a dia da criança e os benefícios dessa prática, confira:

Qual a importância de incluir o brincar no dia a dia da criança?

A gente trabalha com uma concepção de que a brincadeira é a experiência mais significativa que a criança vai experimentar ao longo da vida - e vários estudos corroboram essa visão. Na primeira infância (fase de 0 a 7 anos) neurologistas apontam que é por meio da brincadeira que a criança passa a se relacionar com o mundo que a cerca. Através do brincar ela vai se desenvolver de maneira integral: melhora as habilidades sociais, físicas, motoras, cognitivas.

As rotinas dos pais estão cada vez mais corridas e isso reflete na rotina das crianças. De que forma os pais podem incentivar a brincadeira?  

Hoje em dia, a brincadeira vem perdendo espaço na vida das crianças: são muitas as mediações digitais que elas têm acesso cedo, sem falar em rotinas completamente atarefadas onde não sobra tempo para a imaginação. O que pretendemos é que as crianças tenham tempo para uma “brincadeira real”, ou seja, que a atividade que não seja dirigida e sim livre, que é a que mais responde em relação ao desenvolvimento integral das crianças. Aula de futebol, balé, etc, por mais que seja prazeroso para os pequenos, ainda não configura como uma brincadeira real. Os pais precisam primeiro superar a ideia de que quando a criança esta brincando é um tempo improdutivo e trazer a brincadeira de volta pra lista de prioridades. Além de incluir um tempo para brincar na rotina das crianças, proporcionar condições para tal: espaço adequado, roupas confortáveis, encontrar outras crianças...

Qualquer brincadeira pode ser saudável e produtiva, Raiane? Ou tem algumas brincadeiras que os pais devem ficar atentos?

Cada criança tem uma particularidade, algumas brincam muito bem sozinhas e outras precisam de mais crianças. Não tem uma fórmula definida e essa é a grande riqueza dessa experiência!  A criança vai ir descobrindo aos poucos qual brincadeira que mais agrada – se é ao ar livre, sozinha, com outras crianças, com brinquedos, sem brinquedos. Quanto menos intervenção essa atividade tiver, melhor – e isso não significa que os pais não possam participar da brincadeira, são super bem vindos. Só não vale dirigir a atividade.

Quais os benefícios que na saúde e no desenvolvimento que as crianças que brincam possuem?

As crianças podem mergulhar na imaginação quando estão brincando. A partir disso, descobriu-se que o brincar tende a aumentar a flexibilidade social, a empatia, e tornar as crianças de fato mais felizes, melhora a vitalidade delas. A brincadeira também aumenta a capacidade de investigação das crianças, o testar, falhar, mudar estratégia. É um movimento permanente de busca, aguça a curiosidade. Além de questionar, ela desenvolve a criatividade.  

 

 

03/06/2017 - 07:31

Conecte-se

Revista Vida Simples